5 erros que cometi como jovem empreendedor no Brasil

Empreendedorismo é uma palavra tão difundida hoje, e que infelizmente tem se transformado em algo superficial para a maioria das pessoas que não viveram o que é ser um empreendedor no Brasil, o que considero o modo “Hardest” (O mais difícil) do jogo.

Digo isso sem pretensão nenhuma, até porque olho para mim antes de ter iniciado a empresa e vejo que quando comecei eu também não tinha a mínima ideia da profundidade, seriedade e exigência de ser um empresário ou empreendedor.

Então gostaria de compartilhar uma rápida auto avaliação, depois de mais de 7 anos a frente de uma empresa que deu certo e que hoje tem avançado com pessoas incríveis a frente que vivem todos os dias a arte de empreender.

Muitos falam das vitórias, contam somente o que deu certo e se esquecem que talvez falar sobre os erros possa te alinhar na mesma posição que milhares e milhares de jovens que sonham em serem donos do próprio negócio e quem sabe ajudá-los de alguma forma antes que os tombos sejam muito fortes.

1 – Não procurar ajuda

Quando eu me pergunto o que eu faria diferente, em primeiro lugar me veem a mente: procurar ajuda. Sim, eu teria buscado mais as oportunidades que existem como SEBRAE, associações de classe, institutos entre outros. Eu fiquei muito isolado no início da minha empresa, focado em entregar meus serviços e na qualidade deles, o que é muito importante para um profissional, mas não o bastante para um empreendedor, o qual se requer disciplina, controle financeiro, organização de projetos, procedimentos bem estruturados, contabilidade apurada, gestão dos clientes, ou seja, a administração em geral, pois um negócio não vive só do serviço/produto.

Quebrei muito a cara até aprender isso, tomei prejuízos enormes, tanto de tempo, moral e financeiro. Se eu tivesse a visão que tenho hoje, talvez teria aproveitado TODOS os eventos, cursos e conselhos de profissionais e instituições, teria conhecido mais pessoas, me conectado mais, ouvido mais. (Quase virou música…. rsrs)

2 – Não ampliar o conhecimento

Conhecimento que gostaria de citar, não é o técnico da sua área, por exemplo, comecei como programador, então sim buscava conhecimento como programador e sempre fui muito dedicado a isso, neste quesito é um ponto assertivo, porém, gostaria de falar dos outros conhecimentos que se requer de um administrador ou empreendedor.

Demorei em reconhecer isso, muito tarde fui buscar conhecimento amplo, para ser sincero foi em momento de desespero. Mas para que deixar chegar a tal ponto certo?!

Então leia bons livros, faça cursos, invista em abrir sua cabeça para ter visão mais estratégica do negócio. Empresa/Empreendimento é como um belo jogo de xadrez, você tem que ter visão de cima e não a visão de uma peça do jogo.

3 – Querer ser grande

Nossa! Quando comecei minha empresa, juro que sonhava até com expansão, filiais, equipe enorme… não tinha nem um escritório decente, estava trabalhando no meu quarto. (rsrs)

Ah Bruno, mas tem que sonhar alto. Bem vamos organizar as coisas aqui, tem pessoas que como eu, o sonho se torna uma objeção, você acaba vivendo mais o sonho do que a realidade, existem outros que não são tão afetados assim, tem mais os pés no chão, mas como estamos falando da minha história, vamos voltar para o que ocorreu comigo.

O ponto crucial aqui é o equilíbrio entre sonho e realidade, o sonho deve ocorrer sim e com toda energia, mas deve ser um referencial apenas, e assim devemos voltar para realidade, humildes, pés no chão, reconhecendo e compreendendo a posição atual.

Em um momento oportuno, sai contratando gente, cheguei a abrir filial em São Paulo e quase fali e um curto período, tudo por falta de conhecimento amplo, buscar ajuda e ter os pés no chão.

Na verdade, a única coisa que manteve vivo o negócio foi a minha fé, essa talvez seja o maior pilar que tenho, de acreditar totalmente que vai dar certo, mesmo que tudo já deu errado e continuar de pé na batalha, acreditando no amanhã.

4 – Misturar amizade com negócio

Este é um ponto muito crítico e sofro com isso até hoje, mas de uma forma mais madura e consciente. Conforme você convive com sua equipe, você vai criando vínculos pessoais, e em vários momentos isso pode afetar o negócio, pois começando por mim, muitos não conseguem colocar uma linha clara onde termina o amigo e começa o patrão.

Então se você precisa dar uma bronca, ser firme, cobrar de forma mais enérgica ou até demitir, é nestas horas que o patrão vira amigo e o amigo vira patrão, e ai tudo vira uma bagunça na cabeça e nas emoções.

Tudo deve começar por quem lidera, temos que colocar uma linha que dentro da empresa e enquanto estiver tratando de negócios é o chefe e ali não tem amigo, mas quando colocar os pés para fora, ai sim, deixa de ser o patrão e volta a ser o amigo. Até porque fiz grandes amizades e conheci grandes pessoas que trabalham ou já trabalharam comigo algum dia.

Bem e com o passar do tempo, vai se aprendendo a gerenciar isso a cada dia mais, nunca se sabe realmente, mas evolui um passo de cada vez.

5 – Não curtir a jornada

Ah esta talvez seja um dos meus maiores erros, até porque quando falamos de negócio pode parecer frio, racional, mas vamos parar de ser tão superficiais e reconhecer que estamos tratando de seres humanos, de emoções, razão de vida e de sonhos.

Eu fiquei tão focado e centrado nos objetivos a alcançar e no próximo minuto que estava por vir sempre, na reunião de amanhã, nos resultados, nas contas a pagar da próxima semana, enfim, e deixei de viver cada momento em especial, viver em cada dia sua plenitude.

Isso me fez ter dois ataques de TAG (Transtorno de ansiedade generalizado), sendo um que cheguei a convulsionar e ser intubado e outro que foi mais leve porque a alimentação estava em dia e equilibrada então acho que fisicamente segurei bem, porém, psicologicamente estava destruído, desequilibrado e infeliz.

A cada dia que passo me volto mais para minha essência, foco meus pensamentos e energia no momento presente, tento criar rotinas e atividades que me levem a separar as coisas, como meditação, exercícios físicos, boa alimentação, atenção para evolução espiritual (aqui não estou falando de religião) e boas companhias.

Não espere alcançar algo, seja isso grande ou pequeno, para projetar uma felicidade ou realização, seja grato e realizado com cada pequeno passo que está dando agora, com o que já possui, onde já alcançou, reconheça cada segundo em toda sua plenitude, não se cobre tanto, seja paciente com você mesmo e com seu empreendimento, o todo, a realização não depende somente de você, mas de outros, do tempo, então faça sua parte e se sinta realizado por tê-la feito, dando certo ou não, ao final, você viveu, sorriu, chorou, enfim, curtiu.

Espero que este post possa ter lhe ajudado em ampliar alguma perspectiva.

 

GRÁTIS! CADASTRE-SE E RECEBA ALERTAS DE NOVOS POSTS

6 Comentários
    • Bruno Bueno
    • Bruno Bueno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Totalmente Grátis! Cadastre-se e receba novidades do blog.
  • Receba tudo em primeira mão;
  • Alerta de novos posts;
  • Novidades exclusivas;
  • Sem SPAM, respeitamos sua privacidade.

Preencha o formulário abaixo:

GRÁTIS! Clique aqui e cadastre-se.